Bispos Antigos

  • Home
  • /
  • Bispos Antigos

Dom Antônio José dos Santos (1º Bispo Diocesano de Assis)

Em 30 de novembro de 1928, pela Bula do Papa Pio XI, "Sollicitude Universalis Ecclesiae", foi criada a Diocese de Assis SP, à qual a paróquia de Santo Anastácio ficou vinculada.

O primeiro Bispo de Assis, Dom Antônio José dos Santos, tomou posse no dia 19 de março de 1930. Dom Antônio faleceu em fevereiro de 1956.

 

Dom José Lázaro das Neves (2º Bispo Diocesano de Assis)

Em 21 de novembro de 1948, Dom José Lázaro das Neves é sagrado Bispo Auxiliar de Assis. Por diversas vezes esteve em nossa cidade fazendo sua visita pastoral. Após a morte de Dom Antônio tornou-se o bispo diocesano titular.

 

Dom Antônio de Sousa (3º Bispo Diocesano de Assis)

Dom Antônio de Sousa, filho do senhor José de Sousa e de D. Sebastiana de Sousa, nasceu em Bom Jesus dos Perdões/SP, aos 21 de outubro de 1929.

Aos 25 de fevereiro de 1944 ingressou no Seminário Estigmatino de Rio Claro. No ano de 1951, em Ribeirão Preto, consagrou-se a Deus pela Profissão dos Votos Religiosos. Lá mesmo fez o curso completo de Filosofia. Partiu para a Itália e cursou Teologia em Verona, berço de sua Congregação Religiosa, onde foi ordenado sacerdote a 1º de julho de 1956 por Dom João Urbani.

Cursou a Faculdade Teológica da Pontifícia Universidade “Angelicum”, em Roma, licenciando-se em Sagrada Teologia.

Em fins de 1957, de volta ao Brasil, lecionou teologia dogmática no Instituto Teológico “Gaspar Bertoni”, em Ribeirão Preto. Foi também professor de latim e francês e Reitor do Seminário Estigmatino de Ribeirão Preto e Rio Claro, atuando também como Diretor Espiritual, Vice-Reitor e Mestre de Disciplina dos Estudantes de Filosofia e Teologia em Campinas.

Foi ainda membro do governo da Congregação Estigmatina, como Conselheiro Provincial.

Passou o ano de 1967 na cidade de Caetité, Bahia, onde, com Dom José Pedra Costa, Bispo Diocesano, estudou a possibilidade da fundação de um seminário regional naquela Diocese.

Nos dez anos de atividades em Seminários, achou sempre tempo para se dedicar ao serviço da pastoral direta, aproveitando parte das noites e fins de semana. Desempenhou os encargos de Vigário de Bonfim Paulista, Paróquia de Nossa Senhora de Fátima (Ribeirão Preto), e Santa Gertrudes (SP), assistente de equipes de casais em Campinas e Ribeirão Preto.

A 07 de janeiro de 1968 foi para Barretos, com o encargo de Vigário da Paróquia do Divino Espírito Santo. Recebeu de Dom José Varani, a 30 de maio de 1974, a nomeação de Vigário Episcopal da região norte da Diocese de Jaboticabal.

Foi ordenado Bispo aos 16 de abril de 1974.

A 13 de fevereiro de 1974, o Papa Paulo VI o nomeou Bispo Coadjutor de Assis. Dom Antônio de Sousa é o segundo Bispo Estigmatino brasileiro e terceiro Bispo Diocesano de Assis, com a renúncia de Dom José Lázaro Neves em 20/07/1977.

Na Diocese, deve-se a ele a criação do Centro Diocesano de Pastoral, centralizando aí todo o movimento pastoral da Diocese; reforma do Bispado de Assis, construção da Casa do Clero, a criação da Fundação São Francisco de Assis, a formação de líderes cristãos; a elaboração de Planejamentos Diocesanos de Pastoral. Juntamente com Dom José Lázaro Neves foi um dos idealizadores do Hospital Regional de Assis e juntamente com Dom Maurício ajudou na instalação da Rádio Educativa Escuta FM da Diocese de Assis.

Tem vários artigos publicados em jornais da cidade e região de Assis e no ano de 2003 lançou o livro “A Caminho”.

Com sua renúncia no dia de 27 outubro de 2004 tornou-se Bispo Emérito de Assis.

Dom Antônio de Sousa Vigário Episcopal da Diocese de Assis, com todos os direitos e deveres conforme o Código de Direito Canônico.

O seu lema é:”Amou-os até o fim”.

 

Dom Maurício Grotto de Camargo (4º Bispo Diocesano de Assis)

Lema Episcopal : “Sereis minhas testemunhas” At. 1,8

Dom Maurício Grotto de Camargo, filho de Orlando Lemes de Camargo e Maria Grotto de Camargo, nasceu aos 26 de setembro de 1957 em Presidente Prudente, Estado de São Paulo.

Foi admitido no Seminário N.S. Mãe da Igreja da Diocese de Presidente Prudente onde cursou o ginásio (1969-1972), o Colegial Clássico (1973-1975) e a Filosofia (1976-1977). Fez o curso de Teologia no Instituto Paulo VI da cidade de Londrina, PR (1978-1980).

Depois de ter recebido os Ministérios de Leitor e Acólito, foi ordenado diácono aos 20 de janeiro de 1980 e sacerdote aos 11 de abril de 1981. As cerimônias foram realizadas na Catedral de São Sebastião, ambas por imposição das mãos de Dom Antônio Agostinho Marochi, então bispo diocesano de Presidente Prudente.

 

Atividades como Presbítero:

Coordenador Diocesano de Pastoral (1981-1988).
Chanceler da Cúria de Presidente Prudente (1981-1986).
Vigário cooperador da Paróquia de Santa Rita de Cássia em Presidente Prudente (1981-1982).
Administrador Paroquial de Álvares Machado (1982-1986).
Diretor Espiritual do Seminário Filosófico Provincial Sagrado Coração de Jesus em Marília-SP (1987-1990).
Recebeu o Título de Cidadão Machadense em 1987.
Vigário da Paróquia N.S. Aparecida de Regente Feijó-SP, simultaneamente ao cargo de Diretor Espiritual do Seminário Provincial Sagrado Coração de Jesus em Marília (1988-1990)
Reitor do Seminário Filosófico Provincial Sagrado Coração de Jesus em Marília-SP (1991–1992).
Administrador Paroquial da Par. de N.S. dos Navegantes em Rosana (1993-1996).
Reitor do Seminário Filosófico Provincial Sagrado Coração de Jesus em Marília (1997 – 1999).
Subsecretário de Pastoral da CNBB em Brasília, DF (novembro de 1999 a março de 2000).
Subsecretário Geral da CNBB em Brasília – DF (de abril a junho de 2000).

 

Episcopado:

No dia 03 de maio de 2000 foi nomeado pelo Santo Padre, o Papa João Paulo II, Bispo Coadjutor da Diocese de Assis, SP.
Foi sagrado Bispo por Dom Antônio Agostinho Marochi, então Bispo Diocesano de Presidente Prudente, no Ginásio Municipal de Esportes de sua cidade natal no dia 30 de julho de 2000.

 

Atividades como Bispo:

Tomou posse como Bispo Coadjutor de Assis na Festa da Assunção de Maria, dia 15 de agosto do mesmo ano.
Por onze meses exerceu o cargo de Administrador Apostólico “sede vacante” de Araçatuba, SP, entre os anos de 2003 e 2004.
Assumiu o governo da Diocese de Assis no fim do mês de outubro de 2004 quando Dom Antônio de Sousa, CSS, tendo completado 75 anos de idade, teve sua renúncia aceita pelo Santo Padre.
Ainda em 2004 recebeu o Título de Cidadão Assisense em Sessão Solene na Câmara Muncipal.
Foi responsável pelo Setor das Pastorais da Mobilidade Humana da CNBB em âmbito nacional entre os anos de 2007 e 2011.
Foi nomeado Arcebispo Metropolitano de Botucatu no dia 19 de novembro de 2008 por sua Santidade, o Papa Bento XVI.
Com a presença do então Núncio Apostólico no Brasil, Dom Lorenzo Baldisseri, tomou posse, como 8º. Bispo e 5º. Arcebispo de Botucatu no dia 15 de fevereiro de 2009.
Recebeu o Título de Cidadão Botucatuense em Sessão Solene, realizada na Câmara Municipal de Botucatu no dia 26 de setembro de 2014.

 

 

Dom José Benedito Simão (5º Bispo Diocesano de Assis)

Dom José Benedito Simão, nasceu em Caçapava, cidade situada no Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo, filho de Helena Galhiotti e José Simão.

Em 1972, ingressou no Seminário Nossa Senhora da Penha, na capital estadual, onde concluiu seus estudos em 1974. No ano seguinte, deu início aos seus estudos de preparação para a carreira sacerdotal no Seminário de Filosofia Santo Cura d'Ars. Cursou Teologia no Teologado Dom José Gaspar.

Foi ordenado diácono em 19 de dezembro de 1980 na antiga região episcopal de Santo Amaro e recebeu o presbiterado em 7 de junho de 1981, na Arquidiocese de São Paulo, por imposição das mãos de Dom Paulo Evaristo Arns.

Logo após sua ordenação, foi designado pároco da Paróquia Santa Rita de Cássia e coordenador da Pastoral Vocacional da Arquidiocese de São Paulo, além de vigário da Paróquia Nossa Senhora da Esperança, em Dutra. Em 1983, foi transferido para a Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e também passou a coordenar Pastoral da Juventude e, no ano seguinte, tornou-se reitor do Teologado Dom Gaspar. No decorrer de 1984, também foi vigário na Paróquia Santa Cruz de Parelheiros.

Abriu mão de todas as suas funções como presbítero e partiu para Roma a fim de dar continuidade aos seus estudos, hospedando-se no Pontifício Colégio Pio Latino-americano. Concluiu seu doutorado em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana da Pontifícia Universidade Lateranense em 1990.

De volta ao Brasil, em 1992, foi nomeado vice-diretor pedagógico da Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, sendo promovido a vice-diretor acadêmico no ano seguinte. Foi eleito diretor em 1996 e, novamente, em 2000. Ainda na dita instituição, lecionou as disciplinas de Moral fundamental, Doutrina Social da Igreja, Bioética, Ética Teológica e Magistério Eclesial, Questões Atuais da Ética, Questões de Ética e Corporeidade, Ética e Pastoral e, também, Fundamentação da Ética Teológica.

 

Episcopado

Em 28 de novembro de 2001, o Papa João Paulo II nomeou o padre José bispo-auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, com sé titular em Tagaria. Sua sagração episcopal ocorreu em 25 de janeiro de 2002, na Paróquia Imaculada Conceição do Ipiranga, em São Paulo, pelo cardeal-arcebispo Dom Cláudio Hummes, OFM, com auxílio de Dom Mauro Morelli, bispo de Duque de Caxias, e Dom Antônio Gaspar, bispo de Barretos. Foi incumbido vigário-geral da região episcopal de Brasilândia.

Em 24 de junho de 2009, o Papa Bento XVI designou Dom José para substituir Dom Maurício Grotto de Camargo, que ascendera à Arquidiocese de Botucatu, à frente da Diocese de Assis, sufragânea da mesma. Tomou posse de seu ofício canônico como quinto bispo da dita diocese em 23 de agosto seguinte.

 

Morte

Em 23 de novembro de 2015, Dom José deu entrada na Santa Casa de Misericórdia de Marília após sofrer um derrame cerebral. Veio a óbito após quatro dias de internação, às 5h30min da manhã de 27 de novembro seguinte, aos 64 anos de idade. Logo após a morte, por desejo anunciado em vida ao clero, teve retiradas suas córneas para serem doadas. Após a retirada das córneas, o corpo foi liberado para ser transladado para Assis, onde foi preparado no Centro Funerário São Vicente. O velório ocorreu na Catedral Sagrado Coração de Jesus e de São Francisco de Assis, com a presença do cardeal-arcebispo Dom Odilo Scherer, e, após a missa de despedida, o corpo foi sepultado na cripta destinada aos bispos diocesanos, numa cerimônia privada de familiares e do clero.