Notícia

01 Out, 2014

Missão na diocese de assis-sp

MISSÃO NA DIOCESE DE ASSIS-SP 

Neste tempo oportuno, retomamos o nosso 5º Plano de Ação Evangelizadora, que em termos de melhor convocação de atuação missionária em nível de Igreja Particular de Assis-SP, não poderíamos encontrar na atualidade em nenhum outro incentivo. Na verdade é na Igreja Particular ou Diocese que os ensinamentos da Igreja se concretizam,  quanto a isto o nosso 5º Plano encarna a vocação da Igreja de Jesus Cristo que é por natureza missionária. A identidade da Igreja é ser missionária. A Igreja que não é missionária, não é a Igreja que a Trindade Santa pensou e fundou, não é a Igreja deste Deus vivo e presente. (Cf. AG 2). 

A comunidade cristã, por mais simples que seja, por mais distante que esteja, com as suas diferentes modalidades de acontecer ou jeitos de ser, se não for missionária não está sintonizada coerentemente com a Igreja de Jesus Cristo. Referimo-nos às nossas comunidades eclesiais em geral, comunidades paroquiais, comunidades eclesiais de base, comunidades setoriais, aos nossos movimentos eclesiais, associações de fiéis, às pastorais, às instituições religiosas e de vida consagrada, ao nosso presbitério, Também referimo-nos particularmente à pessoa do próprio batizado. Todo sujeito coletivo e pessoal que se contentam e se dão por satisfeitos em levar uma vida de crença de corte fragmentada, individualista e intimista, não estão suficientemente em comunhão com a Igreja missionária. Ser discípulo, como instituição ou como pessoa, é sentir-se predestinado para a ação missionária.

A Igreja em sua recente Conferência em Aparecida, mais do que nunca, insiste em sua vocação missionária que deve atingir todas as dimensões eclesiais e não eclesiais.  É fato a prática missionária que vem acontecendo em nossas comunidades eclesiais. Não partirmos “da tábua rasa”, todos nós como cristãos católicos e todas as nossas comunidades eclesiais em suas diversas formas de se manifestar testemunham vivência missionária. Nossas comunidades eclesiais, somos nós.  já fomos beneficiados pelo primeiro anúncio, o qual sempre deve se repetir, para que possamos crescer na fé e evoluir em consciência e prática missionária.

O mês de outubro, é um tempo que privilegia a reflexão sobre a missão eclesial em seus diversos aspectos, desde os ministérios e serviços gerais desempenhados em nossas comunidades eclesiais locais até um elevado nível de conversão missionária que dá-se com o envio de tantos homens e mulheres batizados para as missões “Ad Gentes”.

Em nossa Igreja Particular de Assis, que sempre testemunhou a missionariedade como prioridade de seu caminhar, é na atualidade chamada a dedicar-se a um especial estudo e aplicação do mesmo, como já está acontecendo com notável interesse em diversos encontros diocesanos e nas Regiões Pastorais com as suas devidas comunidades eclesiais. Trata-se do estudo e aplicação do Doc. 100 da CNBB: Comunidade de comunidades: uma nova paróquia – a conversão pastoral da paróquia.

O Doc. 100 é um subsídio pastoral portador de significante riqueza eclesiológica conforme ele próprio nos esclarece: a comunidade paroquial “é fundamental para a missão evangelizadora, porém insuficiente ao se considerarem outras realidades eclesiais. A complexidade da realidade atual requer meios de evangelização e recursos que não se limitam à paróquia.” (n. 241). Para um melhor esclarecimento sobre tal referência confira também: n. 231 – 236.

Para enfrentar os desafios que os novos tempos impõem à vida de fé, a Igreja propõe uma nova evangelização, que para o bom êxito da mesma alcance o seu escopo, sem nenhuma sombra de dúvidas, não pode prescindir da reforma de nossas comunidades eclesiais, dentre as quais, a reforma da comunidade paroquial. Constata-se que é indispensável a busca de novo modelo de comunidade paroquial, aberta ao diálogo, comunhão e testemunho.

Lanço o convite a todos os irmãos e irmãs na fé, para que juntos e fortalecidos pela Graça do batismo comum que recebemos, a estudarmos pessoalmente, em família e em comunidade eclesial este novo documento, assim como também, a participarmos dos encontros de formação oferecidos sobre o conteúdo do mesmo subsídio, e que assim sejamos ajudados a nos convertermos mais pessoalmente em vista de toda a conversão da realidade eclesial de nossas comunidades paroquiais e pastorais. Consideremos, que, de nossas comunidades eclesiais é que devem surgir as tantas e necessárias pastorais. As comunidades eclesiais são centros mantenedores de difusão  pastorais.

Amados irmãos e irmãs, em outubro, comemoramos logo no dia (04) (quatro), a memória do grande discípulo-missionário de Jesus, São Francisco de Assis,  patrono diocesano, patrono da cidade Assis-SP e patrono de nossa Comunidade mãe – a Catedral de Assis-SP. A sua memória, deve ser celebrada por todas as comunidades eclesiais de nossa Diocese, com tríduos, novenas, celebrações, benção dos animais, etc. Na cidade de Assis-SP, mais que memória mereceria celebrar a festa de seu patrono. É preciso despertar a sensibilidade da comunidade católica da cidade de Assis-SP, assim como das autoridades públicas local, que o dia de São Francisco, 04 de outubro, deveria ser considerado feriado municipal. Rezemos e nos esforcemos para que isto se torne realidade. 

Por intercessão desse grande homem e santo,  nosso irmão e amigo São Francisco, que o Senhor Bom Deus os abençoe e os guarde, em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

“A multidão dos que haviam crido era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava exclusivamente seu o que possuía, mas tudo entre eles era comum.” (At 4, 32).

 

                                                           EM CRISTO JESUS,

PAZ E ESPERANÇA!

 

    

                                                              DOM SIMÃO

COMPARTILHAR